Lisboa


Voilier-02[3] - copie

PDF télécharger la proposition : Ponts pour la Paix Lisbonne 

Proposta para Lisboa

Duas pontes suspensas à entrada da cidade: a ponte 25 de abril e a ponte Vasco da Gama, ambas suportes idílicos para instalar um criador de arco-íris. Orientadas norte/sul, o sol passa de este a oeste, proporcionando um magnífico espetáculo ao nascer e ao pôr-do-sol. A localização da cidade permite que a libertação de um pouco de água quando o sol se encontra no lugar certo seja suficiente para iluminar a cidade com o espetáculo insólito e inesperado de um arco-íris, todas as noites e manhãs.

De onde o arco-íris poderá ser observado?

1à noite o arco-íris ver-se-á sobre a ponte Vasco da Gama e sobre a ponte 25 de abril, a oeste das duas pontes, desde a margem, ao nível da Avenida Infante Dom Henrique, desde a margem oposta até à ponte VDG e também desde a Avenida de Brasília e de Porto Brandão.

Capture d’écran 2014-10-22 à 20.52.40Na parte da manhã os dois arco-íris ver-se-ão desde a costa, a leste das pontes.

De manhã e à noite, que estejamos a este ou a oeste com o sol sempre por trás, todas as altitudes da cidade estão em causa. E o espetáculo será dos mais agradáveis, simples e a baixo custo. O projeto terá para Lisboa o custo de € 77. 000 para cada ponte com uma participação, já incluída, de €35.00o para o inventor.

image002 planisphere_relO CONCEITO, AS OPÇÕES

Intervenção arco-íris, o conceito:

Colocação em cada local de uma estrutura sustentável em termos de arte volátil. Instalação de “Bacs à papillon” por baixo do criador de arco-íris sempre que o sol está no lugar adequado. A instalação será adaptada a cada local.

O manuseio dos elementos água e terra com plantações adaptadas para a fauna local, estão incluídos num processo de conservação da biodiversidade, permitindo fazer desses locais pequenas reservas faunísticas naturais para pequenos animais selvagens (abelhas …).

116547620 - copie
O orçamento atribuído para cada local deve incluir a amortização de equipamentos de construção e materiais. Dever-se-á também prever a inclusão das estruturas que permanecerão no local, o vaporizador de arco-íris, o sustentáculo das estruturas de suporte, bem como o custo das plantações, a remuneração dos artistas que irão contribuir para a instalação do arco-íris. O orçamento estimativo para uma intervenção é de €90.000.

Um espetáculo de som e cor através do uso do vento pode ser considerado. Um evento com instrumentos de sopro proposto na inauguração revelará deste modo, de noite, uma dança de luzes cintilantes através de um sistema de alumínio, que nas árvores poderá suspender os elementos de reflexão das iluminações já existentes, ou por nós instaladas, para completar o quadro dos elementos. Estas reflexões depostas ao redor, como se estivessem suspensas, oscilaram, e o local tornar-se-á num mundo mágico, permitindo navegar entre a natureza e as luzes como uma valsa controlada e fazendo com que o visitante fantasie e considere o lugar como único.

Un-sourire-eclatant-pour-l-eternel-celibataire_portrait_w674 main_smileyCada instalação será adaptada às características próprias de cada local e um estudo específico será realizado para o efeito. O projeto não pode em caso algum ser comercializado sem consulta prévia para determinar, caso a caso, a natureza da adaptação e sua realidade na paisagem proposta. A especificidade de cada local dará as qualificações desta energia em torno do tema da luz e dos raios de arco-íris.

Como uma arte que utiliza a linguagem da natureza e dos elementos que a embalam para a leitura da majestade de um arco-íris. A visibilidade dos elementos será possível graças às contribuições dos elementos intangíveis (vento, luz) facilitando a entrada delicada na natureza e na matéria através da expressão das artes humanas até ao sólido onde a cor se aplica nas paredes integrando plantas e comedouros para que valse a pequena vida selvagem na arte da paisagem proposta. É um trabalho que liberta o curso da vida local e os visitantes podem admirar continuamente este arco-íris ininterrupto cuidadosamente integrado na paisagem quando ele ainda não brilha… Cedendo a este tempo intermédio um ambiente delicioso que anuncia a sua surpresa.

Este projeto participa na reabilitação.
Apenas necessita de um tubo de água, de neblina matinal e a noite Fará entrar na cidade a arca das 7 cores.

 

 

HISTÓRIA DO PROJETO

  1. Pré-diploma em Orleãs

Capture d’écran 2014-08-04 à 00.41.16

image029Durante um pré-diploma em paisagismo (EJAS, Escola Superior de Arquitetura e Paisagem, Jardins em Paris) foi proposto o seguinte estudo: encontrar um novo uso aos carris abandonados do Sr. Bertin, em Orleãs, França, situados a oito metros de altura e inutilizados, e ser, pela mesma ocasião, inventor.

Deixados ao abando, os carris tinham como finalidade ser utilizados num projeto de comboio que se movimentaria numa almofada de ar, deviam ser absolutamente horizontais, exigindo suspender o dispositivo em locais altos para fazer face aos imponderáveis caprichos dos desníveis do terreno.

O estudo estabelecia que a instalação não devia tocar o solo e incumbia de apenas usar os carris.

Dispositivo:

Capture d’écran 2014-08-04 à 00.41.42
Painéis solares dispostos ao longo dos 20 km por cima dos carris (e inclinados) deviam, acompanhados de caleiras, produzir eletricidade “limpa” para as aldeias e vilas vizinhas, e recuperar as águas pluviais. Estas águas pluviais seriam recuperadas aos pés de cada pilar em poços canadenses para serem colocadas ao abrigo da congelação e serem redistribuídas através de vaporizadores para estufas (tubos ao longo dos carris) sempre que o sol após cada chuva aparecia no céu abaixo 42 ° (condição necessária para a formação de um arco-íris). Convém denotar que os carris em questão estavam orientados norte/sul (o que era, também, uma condição necessária para o bom funcionamento do dispositivo), pois o sol que se deslocava de este a oeste estava corretamente posicionado em relação ao muro de água permitindo a formação de um arco-íris. E, por outro lado, o arco-íris é visível apenas de um lado do muro de água, independentemente de ser de manhã ou à noite (na visão oposta), pois o observador deve ter o sol nas costas, para poder observar o arco-íris.

  1. Um projeto em Williamsburg, histórico do projeto

Em janeiro de 2013, a empresa Dominocon, em Nova Iorque, solicitou os meus serviços no âmbito de um projeto de desenvolvimento em Williamsburg perto da ponte para dar um parecer na área da paisagem relativamente a um projeto independente de um capitel de artista ambulante e destinado a acolher diversas atuações e públicos.

Aquando dos contactos formais, o projeto arco-íris foi evocado e a disposição amável do meu interlocutor levou a questionarem-me se seria viável a colocação de um arco-íris sobre a ponte. O projeto ganhou, de imediato, proporções enormes pois, não somente era viável, como também a situação da ponte e a água por baixo tornava o projeto financeiramente sustentável e proporcionava a sua instalação mediante a simples instalação de uma bomba e de um vaporizador equipados de um detetor e raios solares. O dispositivo tinha encontrado a sua plena expressão no momento de uma conversa afortunada.

Desencadeamento DE ARCOS-ÍRIS

  1. Como fazê-lo:

1966134_10201224999827492_8073334236983508413_oQuem sabe que para ver um arco-íris é necessário ter nuvens à frente e o sol nas costas?

Isto significa que à noite veremos o arco-íris olhando para o levante e que de manhã, ao contrário, veremos o arco-íris olhando para o poente, para que, sempre, um muro de pequenas partículas de água suspensas brilhe no ar no lado para o qual olhamos…

A formação de um arco-íris no céu, depois de chover, é um fenómeno natural relacionado com a dispersão da luz. Um arco-íris é um espectro natural da luz solar que se forma no céu após ter chovido. Depois de chover, gotas de água ficam suspensas no ar. Estas gotas agem como prismas para dispersar a luz solar em cores do espectro.

Arco-íris primário:

Um arco-íris primário é formado quando a luz solar sofre duas refrações e uma reflexão numa gota de água. Um arco-íris primário tem a cor vermelha no exterior e roxa no interior de uma curva.

Arco-íris secundário

76033_426390404102880_2017941552_n 575200_3972569442436_1267569834_n 522997_3972557442136_508666316_nUm arco-íris secundário é formado quando a luz solar sofre duas refrações e duas reflexões numa gota de água. Por vezes, um arco-íris secundário é formado por cima de um arco-íris primário. Um arco-íris secundário tem a cor roxa na parte externa e a cor vermelha na parte interior de uma curva. Este é o duplo reflexo da luz. Um arco-íris primário é mais brilhante do que um arco-íris secundário. A dupla reflexão da luz numa gota de água resulta na perda de luz.

Um arco-íris forma-se se o ângulo de elevação do sol for inferior a 42 graus.

Um arco-íris formar-se-á quando emitirmos jatos de água no ar na direção do céu, se o sol estiver nas nossas costas. Um espectro de cores será visto na aspersão de água.

Agora poderemos ver arco-íris sem a presença das nuvens… também deve ser bonito, em situações meteorológicas agradáveis;)

  1. Montagem

1601601_10203156127653829_1439104881_n PAQUES 2010 040Um coletor solar faz ofício de interruptor e desencadeia o jato (vaporizador), que tira a água do rio ou dos nossos reservatórios de água pluvial e projeta de cima da ponte (orientados necessariamente norte/sul) as micro partículas de água quando o sol brilha abaixo de 42 °, de manhã ou à noite.

Um processo idêntico pode ser instalado artificialmente (sem a ajuda de uma ponte e de um rio), colocando o equipamento necessário para suspender uma mangueira a mais de 8 m de altura (sempre orientado norte/sul). É no entanto necessário que seja reforçado com um recuperador de água pluvial ou que esteja ligado a uma fonte de água.

4 – Implementação

  1. Implementação

A implementação do dispositivo é simples, uma única bomba aos pés da ponte deve redistribuir a água que se encontra abaixo da calçada e criar um muro de pequenas partículas de água por cima do rio. Dependendo da posição do observador o arco-íris move-se e pode é observável por cima da ponte ou no muro de água. Este dispositivo pode ser acionado todas as manhãs e noites de sol. Ou se solicitado, quando o sol brilha no lugar certo, é claro.

  1. Equipamento

IMG_7428 IMG_7440 IMG_7590Uma bomba, um vaporizador e um coletor solar são os únicos elementos necessários para esta instalação.

Ver a descrição completa do sistema no apêndice deste documento.

Conclusão

  • Do SONHO

A novidade do dispositivo e o seu princípio luminoso e discreto deveria criar um ambiente diferente, conotado de sonhos novos de uma humanidade que se pensa novamente. Pode ser um símbolo de Paz para o futuro

  • DA BELEZA

As cores do arco-íris fazem o trabalho por elas sós e a luz do sol encontra aqui um diálogo com a cidade, elevando a água entre o céu e a terra. Este projeto é um símbolo, um projeto que fala de um futuro mais suave e talvez mais colorido… mais feliz e mais bonito

Possíveis desenvolvimentos

O arco-íris de Manhattan será a resposta do outro lado do oceano.

DSC01900 DSC01899

Capture d’écran 2015-01-04 à 11.05.47A ponte de Manhattan conta as estrelas da cidade. Este monumento cintilante conversa com o céu. Esta infraestrutura ilumina e faz sonhar. Um novo dia pode nascer com a conquista da manhã e do pôr-do-sol. Um arco com 7 cores pode inscrever-se na história desta porta das estrelas, refletindo todos os sonhos e todo o encanto, todas as esperanças que viram nascer esta cidade que fala ao mundo através da sua incrível capacidade de acolher sempre que surge um sonho novo. A abertura da manhã para o céu e a capacidade de encaminhar sempre para um ponto mais elevado são características de Nova Iorque, que fazem desta cidade o lugar ideal para este projeto tão simples quanto grande e mágico.

História e reabilitação da ponte de Manhattan

10818329_935547909800217_1777586979971231954_o10888924_935547906466884_1824337771583969721_nA ponte de Manhattan, a mais nova das três pontes do departamento de transportes de Nova Iorque suspensas sobre o Rio East, foi desenhada por Leon Moisseiff (1872-1943) e concluída em 1909. O comprimento total da ponte de Manhattan é de 6090 pés, o seu arco principal tem um cumprimento de 1470 pés e cada um dos seus quatro cabos mede 3224 pés.

Esta ponte tem dois pavimentos e permite a passagem sobre o Rio East de automóveis, camiões, metropolitanos, bicicletas, bem como de peões. Conecta a Avenida Flatbush, na Baixa de Brooklyn, com o Canal Street em Chinatown, em Manhattan. A ponte de Manhattan é distinguida por um elaborado portal de pedra e uma vasta praça no seu termo em Manhattan, projetados pela equipa de arquitetura de renome Carrere and Hastings.

Num dia de semana, a ponte de Manhattan recebe em média 75000 veículos, 3000 ciclistas e peões, e 320 mil usuários do transporte coletivo que viajam entre Manhattan e Brooklyn. Ele suporta sete faixas de tráfego de veículos, quatro ferrovias, uma via de circulação para pedestres e uma ciclovia de Classe 1. A ponte de Manhattan é uma das principais rotas de camiões. 75% de todos os utilizadores da ponte de Manhattan viajam « verde. « 

 Capture d’écran 2014-08-04 à 02.59.40 IMG_5922

Em 2009, a ponte de Manhattan foi designada Património Histórico Nacional de Engenharia Civil pela Sociedade Americana de Engenheiros Civis – no mesmo ano em que a ponte celebrava o seu 100 º aniversário. Uma placa de bronze foi instalada no lado sul da passarela para peões, no lado de Brooklyn da ponte, próximo do cruzamento com a rua Jay e a rua Sands.

Esta ponte, característica de Nova Iorque, é concebida como um monumento e expressa a megalomania tanto pela sua massa e arquitetura que pelas suas luzes noturnas, fazendo-a brilhar como milhares de estrelas.

  1. Uma entrada / Uma ponte estrelada

É uma entrada para a cidade, o desembarque na América e no sonho americano. Esta ponte conversa tanto com a cidade como com o céu e a água. O projeto do arco-íris permite a entrada do dia e da noite neste espetáculo ligado aos elementos.

  1. Um monumento

manhattan-bridge-detail20-20400

A ponte foi recentemente restaurada e faz parte de um projeto de modernidade e inovação que a colocam num lugar único e especial na história da cidade e na história do presente. O seu monumental pode muito bem coincidir com um grande projeto tão simples quanto grande e que responde mais uma vez ao grande sonho que molda o país e a chegada à América.

  1. A conquista do dia

… tanto mais que o arco-íris é um arco e brinca também com a ideia de entrada, governada e ilustrada no próprio aspeto da ponte. O arco, o portal… é a entrada do dia que será aqui revelada pelas cores e, da mesma forma, a saída do dia.

  1. Inscrição na paisagem em ambos os lados do oceano:

imagesChegada à América / Chegada à Europa: Projeto de geminação com Lisboa, cidade de acolhimento do projeto que apresenta também condições grandemente favoráveis ​​para fazer de todas as pontes um corredor arco-íris de entrada na cidade.

Se Nova Iorque é uma porta do oceano para as Américas, não deixa de ser interessante notar que Lisboa do outro lado do oceano é uma entrada na Europa. A geminação das duas cidades, ambas com uma entrada pelo rio e pontes orientadas norte/sul, tornasse um símbolo de unidade e de paz. Um diálogo entre os dois continentes sobre o tema é particularmente interessante em razão de o seu fuso horário diferir e respondem-se pela magia do dia que substitui a noite nestes dois lugares distantes.

A / Duas pontes entre Queens e Bronx.

Uma viagem de barco aos confins do mundo.

IMG_8558Seguindo o rio num barco continuemos a nossa viagem ainda mais longe. Duas outras pontes orientadas norte/sul orientado terminam este braço entre Queens e Bronx. Assim, sendo o dispositivo muito simples, vários arcos podem seguir-se ao longo do canal e melhor traçar a entrada na América. Para tornar a viagem ainda mais « mágica ».

B / Se a cidade desejar: Um Grande arco-íris em Nova Iorque pode transcender o canal e entrar no céu de toda a cidade… Um Grand Eixo (Ostern?) River.

Este projeto é na realidade um projeto emblemático. A possibilidade de utilizar o outro braço de água que entra na terra, orientado ao longo de km norte/sul, pode, a pedido da cidade, permitir o estabelecimento (imprescindibilidade de elevar o tubo, vaporizador, a uma altura suficiente) de um arco-íris gigantesco por cima de Nova Iorque. Este projeto pode ser inicial ou realizar-se numa segunda fase. Responde ao gigantesco da cidade e pode desencadear sempre que desejado quando o sol brilha de manhã ou à noite no sítio adequado um espetáculo fabuloso cheio de felicidade e único no mundo.

C / uma ponte mini corredor ecológico e um passeio arco-íris.

IMG_6252O desenvolvimento de um passeio sobre a ponte sobre o tema das cores: uma varanda de plantas apreciadas pelas borboletas pode ser adicionada para que na primavera as borboletas voem no meio dos nossos arco-íris. O que nos conduz à fase seguinte: os elementos opcionais que podem acompanhar o projeto, sempre interagindo com o céu:

O oceano propaga-se na cidade, a cidade eleva-se para contar ao céu a história dos homens. A nova terra descobre um continente que emerge da água com o fragor das estrelas.

A ponte de Manhattan (a partir da ponte de Brooklyn)

1 – As cores

De acordo com PIERRE VAN OBBERGHEN (fundador do Instituto da cor, cromoterapeuta, para mais informações sobre seminários e formação em terapia de cores consulte: www.color-institute.com , www.chromo-therapy.com, Conferência Anual da ILA, associação internacional sem fins lucrativos, www.international-light-asociation.org) e a sua transcrição em paisagem Laure Dupuy.


Seis pares de cores complementares:

1 rosa magenta e verde floresta

2 vermelho escarlate e verde turquesa

3 vermelho e ciano

4 laranja e azul marinho

5 amarelo e azul meia noite

6 verde maçã e roxo-violeta

cores matéria:

magenta primário

amarelo primário

ciano primário

EGCS_Lcores luz:

vermelho primário

verde floresta primário

azul meia-noite primário

Palavras-chave associadas às doze cores

Rosa-magenta : amor, afeto, relações, harmonia, alma, essência, juventude.

Vermelho écarlato : mãe, feminidade, fertilidade, corpo, enraizamento, território, suporte, apoio.

IMG_6410Rouge :

: fogo, calor, vida, energia, vitalidade, potencial, capacidade, reprodução, instinto de sobrevivência, criação, maternidade.

 Laranga : emoções, sensações, estimulação, contato emocional, toque, sensualidade, pulsações, impulsão, ritmo, vibração, movimento.

   Amarelo: luz, clareza, consciência, iluminação, lucidez, discernimento, inteligência, identidade,

autoconfiança.

   Verde maçã: abertura, flexibilidade, olhar, ponto de vista, descoberta, travessia, estudo,

aprendizagem, curiosidade, acesso, passagem.

Verde floresta : Ambiente externo, ambiente, equilíbrio, neutralidade, liberdade, autonomia,

independência.

   Verde turquesa fluidez, clareza, transformação, evolução, ciclos, purificação, higiene, eliminação.

   Azul céu: ar, oxigenação, respiração, ventilação, comunicação, diálogo, conversação

correspondência, partilha, circulação.

Azul marinho : serenidade, tranquilidade, paz, calma, observação, perceções extra-sensoriais.

   Azul noite escuridão, profundidade, imensidão, introspeção, comunidade, humanidade, família.

   Púrpura-violeta: espiritualidade, orientação, direção, objetivo, destino, ensinamento, relação com o pai, símbolo, leis naturais.

IMG_6417Seis pares de cores: Símbolos e complementaridades

1 rosa-magenta e verde floresta

rosa-magenta : Interno, por dentro, vulnerabilidade, si, conhecido, sonho, polaridade, artificial

verde floresta: exterior, fora, imunidade, outrem, desconhecido, realidade, neutralidade, natural

2 vermelho escarlate e verde turquesa

vermelho escarlate: nutrição, estabilidade, sólido, permanente, menstruação, opacidade, membros inferiores

verde turquesa: excreção, mudança, líquido, efémero, ciclos, transparência, membros superiores

3 vermelho e azul ciano

Vermelho: calor, vitalidade, combustível, barulho, agressividade, atividade física

Azul ciano: frescura, suspiro, comburente, silêncio, medo, descanso físico

4 laranja e azul marinho

laranja: emoção, sensação, movimento, emoção, sistema nervoso, simpatia, adrenalina, atividade sensorial

azul marinho: a perceção, intuição, imobilidade, inibição, sistema nervoso, parassimpático, endorfina, descanso sensorial

5 amarelo e azul meia-noite

Amarelo: Luz, consciente, despertar, dia, meio-dia, eu, individuo, superfície, análise, atividade psíquica

azul meia-noite: trevas (aqui estrelas são adicionados), inconsciente, sono, noite, meia-noite, nós, grupo, profundidade, descanso mental

6 verde maçã e purpura-violeta

Verde maçã: estudo, aprendizagem, flexibilidade, curvatura, articulação, visão, fechadura

purpura-violeta: ensinamento, controlo, rigidez, retidão, linguagem, alvo, chave

FORMAÇÃO DE UM ARCO-ÍRIS, EXPLICAÇÃO MAIS DETALHADA

IMG_7530Imagens retiradas do curso aqui apresentado: http://horobindo.centerblog.net/6581873-c-est-bon-a-savoir?ii=1

Porquê um arco-íris?

O arco-íris é um fenómeno de dispersão de luz num muro de água. Ao estudar a interação da luz com partículas alvo, cujo tamanho é muito grande perante o comprimento da onda de luz incidente, podem aplicar-se as leis da ótica geométrica.

Tal como para o prisma, a formação de um arco-íris está fortemente ligada à geometria do elemento dispersivo, aqui a gota de água. Como o tamanho das gotas de água é muito grande em comparação com o comprimento da onda de luz, podem aplicar-se as regras da ótica geométrica a uma gota de água esférica de índice n igual a aproximadamente 1,33. Obtemos trajetórias dos raios de luz de acordo com a figura. O raio entra na gota de água, é refletido no interior (apenas uma pequena proporção é refletida, o raio transmitido não dá origem a qualquer fenómeno particular), depois torna a sair.

A soma dos ângulos em azul na figura dá o valor do desvio do raio refletido em relação à radiação solar incidente. Temos D = PI + 2i – 4r, onde i e r estão ligados pela lei de Descartes sin i = n.sin r. Por conseguinte, o valor depende do ângulo de ataque do raio, que varia ao longo da gota. Se não trabalharmos com ângulos orientados, o ângulo de desvio é dado por A = PI – D.

Como o ângulo i varia entre -pi / 2 e pi / 2, os raios são, a priori, refletidos em todas as direções, mas na verdade existe um ponto de acumulação deste desvio. A figura que ilustra a expressão de A em função do ângulo i mostra claramente que existe um vasto número de valores de i para os quais A é mais ou menos constante. Trata-se claramente do valor máximo da função.


Figura 1.
Dispersão angular de azul e vermelho para uma gota de água. http://planet-terre.ens-lyon.fr/planetterre/objets/Images/arc-en-ciel/arc-en-ciel-fig03 . jpg

Dispersão angular de azul e vermelho para uma queda de água. Http :/ / planet-terre.ens-lyon.fr/planetterre/objets/Images/arc-en-ciel/arc-en-ciel-fig03.jpg

http://planet-terre.ens-lyon.fr/planetterre/objets/Images/arc-en-ciel/arc-en-ciel-fig03.jpg

http://planet-terre.ens-lyon.fr/planetterre/objets/Images/arc-en-ciel/arc-en-ciel-fig03.jpg

Este é o mesmo fenómeno que ocorre nos traçados das ondas após a passagem de um barco. A reflexão vai, portanto, realizar-se maioritariamente com este ângulo, o que possibilita a realização de um arco-íris. No entanto, não é branco como a luz do sol. Isto deve-se ao facto que o ponto de acumulação do desvio depende do índice de água (n), que ele depende do comprimento de onda (a cor) do raio de luz. Os vermelhos serão os mais desviados (ver a figura anterior), por conseguinte os mesmos aparecem no exterior do arco-íris. Os raios azuis são desviados segundo o ângulo A = 40,6 ° e os raios vermelhos segundo o ângulo A = 42,0 °.

A forma do arco-íris

IMG_7439O ponto antissolar é o ponto situado no infinito (na direção oposta ao sol) a linha passando através dos olhos do observador e paralela aos raios solares. O arco-íris é a intersecção entre o plano vertical formado pelo muro de água e um cone com vértice os olhos do observador e de um gerador, o segmento formando um ângulo de 42 ° com a linha atravessando os olhos do observador e o ponto antissolar.

Nota: reflexões múltiplas são possíveis na gota, dando origem ao fenómeno do duplo arco-íris, que pode ser observado se as condições são boas. O arco-íris secundário é o menos luminoso e o gerador do seu cone faz um ângulo de 51 ° com a linha passando através dos olhos do observador e o ponto antissolar. Notamos que a ordem das cores é invertida em relação ao arco-íris primário. Finalmente a faixa situada entre os arcos-íris primários e secundários é chamada faixa escura de Alexandre.

O ar e a água perante o homem: poema do artista. Este projeto nasceu de um olhar sobre o céu e da sua harmonia que atravessa a água para tocar o chão. Por isso, este poema encerra este raciocínio que leva a situar-se entre o céu e a água?

O ar gosta de deitar sobre o oceano mais do que um discurso, mais do que um poema, as suas mudanças de humor, os seus tormentos as suas angústias. E o teto azul do oceano conversa com o céu. Eles fazem ondas. Um impõe o vento o outro eleva-se. Eles riem juntos em escumas brancas. Os seus ressaltos brilham sobre a mancha. O grande ar diz-se poder, a água soberana diz-se imensa e os seus discursos sem fim ​​como a indiferença levam ao fundo os marinheiros que entre eles erguem-se ignorantes e pequenos que têm entre estes vizinhos gigantescos um ar lamentável minúsculo e marinho. Entre a grande onda azul e ar seu companheiro os peixes, os pássaros voam de cada lado. Um eleva a maré o outro a nuvem. Chocam-se constantemente com elevando a voz, um prova a sua grandeza o outro atira-lhe lâminas… E por vezes a disputa resulta num drama depois cessa e sobre a trégua alonga-se e dorme imóvel e poderosa a calma vai à borda recuar avançar pequenas marés avançadas recuadas pequenas ondas osciladas antes que retome a grandiosa discussão dos dois gigantes que falam e competem novamente sobre a arte de ser gigante e juntos brincam sobre quem vai ser o mais bonito mais forte… Desconhecido da humanidade a pequenez de ousar aventurar-se em acreditar-se tão grande… Como areia criado ou nada perante estes dois gigantes… pensa ser descendente do céu. Ele que aqui devia aprender a palavra humildade observa os seus dois pés e com um soberbo ego diz eu sou, eu vou e volto quando deveria ao pé de esta imensidão da qual é valete depor todas as suas armas e finalmente razoavelmente gritar: EU SOU PEQUENO! e agora Estou consciente.

Laura Dupuy, 7 de junho de 2014

 IMG_7586

cropped-img_6738.jpg

Publicités
Catégories :Un projet pour les Grands ponts du Monde, un projet pour la Paix

1 commentaire

Laisser un commentaire

Entrez vos coordonnées ci-dessous ou cliquez sur une icône pour vous connecter:

Logo WordPress.com

Vous commentez à l'aide de votre compte WordPress.com. Déconnexion / Changer )

Image Twitter

Vous commentez à l'aide de votre compte Twitter. Déconnexion / Changer )

Photo Facebook

Vous commentez à l'aide de votre compte Facebook. Déconnexion / Changer )

Photo Google+

Vous commentez à l'aide de votre compte Google+. Déconnexion / Changer )

Connexion à %s

%d blogueurs aiment cette page :